Francisco Beltrão

Francisco Beltrão é destaque no Sul do Brasil no Programa Criança Feliz

Visitador Eduardo Magri Dallastra com Franciele Vaz dos Passos e o filho Matheus Felipe Vaz Wanot, de 1 ano e 8 meses, no Bairro Padre Ulrico

O município de Francisco Beltrão é o único do Sul do Brasil que cumpriu integralmente a meta pactuada com o programa federal Criança Feliz que tem como meta ampliar a rede de atenção e o cuidado integral das crianças na primeira infância, considerando sua família e seu contexto de vida. O programa se desenvolve por meio de visitas domiciliares com a finalidade de promover o desenvolvimento integral das crianças na primeira infância.

“É um orgulho para todos os beltronenses esta conquista e mostra que o trabalho que a nossa equipe da assistência social está realizando com as crianças está obtendo resultados positivos. Temos investido bastante nesta área e possuímos uma equipe qualificada para dar o atendimento adequado para as famílias que necessitam deste auxílio”, comemora o prefeito Cleber Fontana. Ele também parabenizou todos os envolvidos no projeto, garantindo total apoio da administração municipal.

Francisco Beltrão aparece entre os 43 municípios brasileiros que conquistaram  as metas de atendimento. O trabalho desenvolvido em Beltrão se destacou desde a implantação do programa, se tornando referência para outras cidades do Paraná e do país. Também obteve o aval em consultoria realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Social.  Agora o município poderá ampliar em 100% o número de pessoas atendidas, por meio de deliberação do Conselho Municipal de Assistência Social.   

O Criança Feliz possui como público-alvo crianças de 0 a 3 anos e gestantes beneficiárias do Bolsa Família, crianças de 0 a 6 anos beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada de Assistência Social (BPC) e crianças de até seis anos afastadas do convívio familiar em razão da aplicação de medida de proteção.

Em suas diretrizes prevê a implementação das ações de forma descentralizada com integração das políticas públicas nos territórios, por meio da coordenação e integração dos serviços de saúde, educação, assistência social, meio ambiente, cultura, lazer e instâncias de defesa dos direitos.

A Secretária de Assistência Social, Nádia Bonatto destaca que “embora estas famílias em sua maioria já eram atendidas através dos Serviços e Programas da Assistência Social, visualizamos no Criança Feliz a oportunidade de potencializar um trabalho com a primeira infância, bem como contribuir para o fortalecimento do papel das famílias no cuidado e na proteção das crianças”.

O programa estimula a responsabilidade dos adultos que são referência para a criança no seu dia-a-dia, que relacionam-se diretamente com ela, estabelecendo os vínculos afetivos mais próximos durante os seus primeiros anos de vida.

De acordo com a coordenadora da secretaria, Flávia Bedin Tognon, a operacionalização do programa no município iniciou em 2018 com uma Equipe Volante vinculada ao Órgão Gestor da Assistência Social e a partir  do andamento das atividades, as equipes dos CRAS foram reorganizadas integrando os visitadores do Criança Feliz.

Ela lembra que foi um grande desafio fazer parte da equipe que implantou o Criança Feliz no município. “Além das visitas domiciliares que possuem periodicidade específica para cada público, as gestantes inseridas também participam do Alô Bebê – Programa de Atendimento à Gestante”, comenta Flávia.

 Através de encontros mensais no CRAS de referência da família, o Alô Bebê desenvolve um trabalho voltado para as gestantes e seus parceiros ou familiares, mantendo articulação e visando fortalecer as ações desenvolvidas pelo Criança Feliz, contribuindo para a proteção de forma integral, fortalecendo os vínculos familiares e comunitários, materializando a matricialidade sociofamiliar no âmbito do SUAS.

As atividades do Criança Feliz são supervisionadas por Pâmela Cruz e atuam como visitadores Eduardo Magri Dallastra e Patricia Weronka. Esta equipe trabalha diretamente com as famílias beneficiadas e realiza as visitas domiciliares.

Assessoria PMFB

Compartilhe: