Pandemia
Foto Assessoria

Especialistas ouvidos pela CNN acreditam que a variante Ômicron deve perder força a partir do mês de fevereiro.

De acordo com presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alberto Chebabo, o pico de contágio deve ocorrer em uma a duas semanas. “É uma estimativa difícil. Mas depois do pico, começa a cair. Talvez, no final de fevereiro o número de casos já será bem menor”, explicou.

A variante foi relatada pela primeira vez à Organização Mundial da Saúde (OMS) pela África do Sul, no dia 24 de novembro do ano passado, e tomou o mundo com rapidez.

Um relatório divulgado há uma semana pela OMS mostrou que a cepa já é responsável por quase 60% dos casos de Covid-19 sequenciados no último mês.

No exterior, as curvas de transmissão de países como Canadá e Reino Unido, que têm coberturas vacinais semelhantes às do Brasil, caíram depois de um mês da chegada da Ômicron

“A variante se comportou muito parecida com os outros países: é um aumento muito intenso e muito rápido do número de casos, é uma onda bastante aguda. Isso sempre preocupa. A gente viu que fica próximo a 30 dias a duração dessa curva”, explicou o secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, que é médico sanitarista.

No Rio de Janeiro, a variante já é responsável por 98,1% dos casos de Covid-19. Do fim de 2021 para cá, a taxa de positividade para a doença na rede pública da capital fluminense subiu de 0,7% para 51%.

Segundo dados da prefeitura, 2022 já conta 64.713 casos confirmados, 238 graves. Além disso, 20 pessoas morreram.

Leia mais em CNN Brasil