Geral
Projeto da Nova Ferroeste (Fonte: Governo do Estado do Paraná)

Da Assessoria – Na segunda-feira, 16, o deputado Reichembach (PSD) utilizou a sessão plenária da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) para tratar sobre a nova Ferroeste. O projeto prevê uma linha férrea que liga os municípios de Maracaju, no Mato Grosso do Sul, e Paranaguá, no litoral paranaense, passando por 49 municípios no total.

Para Reichembach, entidades e lideranças devem se unir para que o projeto inclua um braço da Ferroeste na região Sudoeste do Paraná, que desça até o município de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. “Nossa região é destaque na agricultura estadual, especialmente nas atividades do leite e na avicultura, porém nossa infraestrutura ainda é um gargalo. A Ferroeste é fundamental para alavancar ainda mais o desenvolvimento da nossa região”, ressalta.

A partir desta segunda-feira, serão realizadas audiências públicas em sete municípios para discutir o tema, porém não estão incluídas cidades do Sudoeste do Paraná na agenda.

Benefícios
De acordo com Reichembach, se incluída no projeto da nova Ferroeste, a região Sudoeste terá grandes ganhos. “Além de tirar o peso das nossas rodovias, que estão defasadas e requerem grandes investimentos, o transporte ferroviário traz menos impacto ambiental, ajuda no escoamento da produção agrícola em longas distâncias, e isso consequentemente promove um grande crescimento econômico”, afirma.

O projeto
O projeto da Nova Ferroeste é uma iniciativa do Governo do Paraná em parceria com o Governo do Mato Grosso do Sul. O investimento estimado é de R$ 29,4 bilhões e será feito pelo vencedor do leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), previsto para o segundo trimestre de 2022. Caberá à iniciativa privada executar as obras e explorar a ferrovia por 70 anos.