Meio Ambiente
Foto Divulgação/PMFB

Uma parceria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura de  Francisco Beltrão com Óleo Legal Beltrão e a Iguaçu Ambiental, empresa que faz o coprocessamento, refino e purificação do óleo para ser encaminhado para a produção de biodiesel, está ampliando os pontos de coleta de óleo de cozinha usado. O principal objetivo é evitar a contaminação do meio ambiente através do descarte de forma incorreta.

Estão disponibilizadas Bombonas de 200 litros para o descarte do produto em garrafas pet ou em galões de 5 litros na sede da secretaria, na avenida Santo Fregonese, no prédio da prefeitura e nas unidades do Poupa Tempo do bairro São Miguel e da Cidade Norte. Em breve outros pontos serão disponibilizados. Outra alternativa, que já estava disponível, é o descarte junto com lixo reciclável.

O secretário de Meio Ambiente, Adriano David, relata que é de fundamental importância o descarte correto, tanto por parte dos domicílios quanto de estabelecimentos comerciais do setor alimentício. Inclusive a Lei municipal 4.330, trata desta obrigatoriedade e determina multa em caso de descarte irregular. “Precisamos da conscientização e da colaboração de toda a sociedade”, relata Adriano.

O óleo de cozinha, quando descartado de forma irregular, causa impermeabilização no solo. Quando atinge rios ou lagos impede a troca de oxigênio da água com a atmosfera causando a morte de peixes e de plantas aquáticas. Se lançado na rede de esgoto gera graves problemas de obstrução nas redes, gerando extravasamento de esgoto a céu aberto.

Em muitos casos, o óleo de cozinha usado acaba sendo jogado no ralo da pia, vasos sanitários ou descartados com o lixo orgânico comum.  Todos esses métodos de descarte são meios de contaminação do meio ambiente, podendo poluir as águas, o solo e até mesmo a atmosfera. A geração per capita de óleo no Brasil é de 15 litros ao ano por habitante.

(Assessoria de imprensa)