Francisco Beltrão
Foto Polícia Civil

A investigação iniciou em novembro de 2021, quando os fatos começar a serem comunicados à Polícia Civil.

Segundo a polícia, consumidores relataram que, após comprarem pacotes de viagens junto à empresa investigada, teriam sido surpreendidos, na véspera, com o cancelamento da viagem e não foram ressarcidos de quaisquer valores pagos à agência de turismo. Apurou-se que sequer os vouchers (reservas) dos hotéis eram gerados.

Nesta quinta-feira (03), os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão no escritório da agência investigada e na residência de um dos sócios, onde foram apreendidos diversos documentos, cheques, contratos, dois aparelhos celulares e um notebook, que auxiliarão nas investigações.

A polícia ressalta que a agência já havia sido interditada pelo Procon em duas oportunidades (dezembro de 2021 e janeiro de 2022), porém, havia notícia de que a empresa prosseguia em sua atividade de forma virtual.

Dessa forma, a Polícia Civil representou ao juízo da comarca pela suspensão das atividades econômicas e comerciais dos sócios, que foi deferida pelo Poder Judiciário. Assim, os sócios estão proibidos de continuarem a exercer suas atividades, visando, dessa forma, prevenir que outros consumidores sejam prejudicados pela empresa.

As investigações seguem em trâmite na 19ª SDP de Francisco Beltrão e a Polícia Civil orienta as vítimas que registrem o boletim de ocorrência nas delegacias de suas cidades ou, ainda, pela internet no site da Polícia Civil do Paraná.