Esportes, Francisco Beltrão
Foto: Lucas Maciel

A fase do Marreco vai de mal a pior e na manhã deste domingo (6) mais uma atuação insegura e turbulenta culminou na quarta derrota consecutiva na Liga Nacional, desta vez para o Cascavel, em pleno Arrudão.

Talvez o único a ter uma atuação dentro ou até acima da média, Bateria abriu o marcador aos 3 minutos após jogada individual. Porém, mais uma vez o Marreco cedeu o gol para o adversário após errar na saída de bola e Jorginho empatou. A equipe beltronense voltou a ficar em vantagem depois que Pedro Rei fez ótima jogada, driblou o goleiro Alê Falcone e bateu forte para fazer 2 a 1. Novamente a marcação do Marreco cochilou e Canhoto que pela primeira vez enfrentava seu ex-clube, empatou o jogo, mas não comemorou em respeito à torcida. Faltando três minutos para o fim, Ronaldo girou em cima da marcação de Renan Fuzo e virou o jogo para 3 a 2.

Uma confusão envolvendo Sinoê e Canhoto terminou na expulsão dos dois atletas depois que eles dividiram um lance e o pivô do Marreco atingiu Canhoto com o braço no rosto propositalmente. A confusão foi generalizada e envolveu familiares de Canhoto que foram pra cima de Sinoê e entraram em confronto com os seguranças do Marreco. Um dos envolvidos chegou a ser encaminhado pela PM à delegacia antes mesmo do fim do jogo.

Sem gols na segunda etapa, o Marreco foi novamente derrotado em casa por 3 a 2 e agora cai para o 13° lugar na Liga, cada vez mais distante dos líderes, e ainda mais criticado pela torcida que vaiou e gritou “vergonha” ao fim da partida. Os torcedores, porém, estão divididos já que uns querem a saída do técnico Baiano, enquanto outros pedem as saídas de Richard, Éder e Renan Fuzo. Até o queridinho Sinoê foi duramente criticado pela atitude contra Canhoto e pela primeira vez em muito tempo foi questionado nas arquibancadas.

Na quarta-feira (9) o Marreco tenta dar um fim na má fase contra o Toledo, novamente no ginásio Arrudão, mas pela Série Ouro do Paranaense.