Francisco Beltrão
Foto: Thacielly Pacheco Teixeira/Casa Militar

AEN – Na manhã desta terça-feira (15), um King C90, aeronave da frota do Estado, transportou órgãos para transplante, de Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, para Curitiba. Os rins, fígado e coração de um homem de 49 anos, morador da cidade, cuja doação foi autorizada pela família, salvarão a vida de até cinco pessoas.

O transporte durou cerca de 1 hora, e precisou ser ágil para que os órgãos estivessem em condições favoráveis aos transplantes. “O transporte precisa ser rápido, os órgãos têm tempo limite para serem transplantados”, diz Juliana Giugni, coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes do Paraná (SET-PR). “O fígado tem até 12 horas entre a retirada do doador até o transplante no receptor, o coração tem o limite de 4 horas e o rim de até 36 horas”, explica.

“Hoje a divisão de transporte aéreo da Casa Militar do Paraná realizou mais um voo em apoio à central de transplantes para captação de órgãos na cidade de Francisco Beltrão. Isso reduziu o tempo de transporte, levando esperança para quem precisa”, disse o comandante da aeronave, Fernando Camargo.

Assim que a avião pousou no Aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, o fígado foi levado para o Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, onde foi iniciado o transplante em uma mulher de 60 anos, por volta de 13h30. Os rins foram levados para a Central Estadual de Transplante do Paraná para passar por um teste de compatibilidade entre o doador e o novo receptor. Assim que os resultados estiverem prontos, os órgãos serão encaminhado para hospitais à espera do transplante.

No caso do coração, não foram encontrados pacientes compatíveis para o recebimento do órgão. Ele será levado para o banco de tecidos, no Hospital Evangélico Mackenzie, que fará uma análise e, a depender do resultado, o encaminhará para o transplante de valvas cardíacas. Podem ser beneficiados até dois transplantados de qualquer idade. As valvas podem ficar armazenadas no banco por um período de até seis meses.