Região
Foto Arquivo pessoal

Família de Douglas de Mello divulga nota de repúdio sobre sua morte brutal em Saudade do Iguaçu.

NOTA DE REPÚDIO

Ao assassinato de Douglas de Mello, brasileiro, solteiro, agricultor, trabalhador, ótimo filho, justo e honesto em suas interações, amável e parceiro com seus amigos e aqueles que o cercavam, o qual foi assassinado de uma forma animalesca e desumana através de diversas violações em seu corpo. Ao que tudo indica, sua morte deu-se através de um plano inescrupuloso. Tal tramoia ocorreu por meio de uma emboscada, pois ele foi induzido a ir ao encontro de um ‘’amigo(a)’’ que pediu sua ajuda.

Logo após o agredirem, o(s) assassino(s) efetuaram disparos de arma de fogo em seu crânio.

Não satisfeito(s) com a banal conduta de causar dor e sofrimento, os assassino(s), diante da angustia e sentimento de impotência o qual cercava Douglas, ouviu-se dizer, que o amarraram e o amordaçaram, ao passo que embebedaram o seu corpo com combustível e diante daquele cenário o atearam fogo. Tudo isso no afã de felicitar-se com seu sofrimento e padecimento, cujo a cada instante recrudescia mais próximo a sua morte.

Ante o êxito da tortura desmedida, o(s) assassino(s) o descartaram em um local ermo, como se fosse um objeto descartável e sem importância. 

Sem delongas aqui, trata-se de um crime bárbaro, vil, torpe, injusto, imoral e aterrorizante, cujo sugere motivação vingativa. Algo que destoa do comportamento e reflexo das condutas de Douglas, o qual sempre prezou pela harmonia, amizade, alegria, felicidade e paz.

A morte de Douglas, ocorrida em 16/02/2021, no município de Saudade do Iguaçu/PR, trouxe àquela simplória e pacata cidade um sentimento de impunidade, junto desse, um medo colossal. De modo que essa, busca implacavelmente uma resposta imediata e eficaz das autoridades, já que impera naquele local a súplica do povo, o qual clama, pede e implora por justiça.

O assassinato de Douglas há de ser apurado, elucidado e o(s) assassino(s) severamente punido(s) com o extremo e imparcial crivo e senso da Justiça. Pois aqui não se trata de algo irrisório, mas de um crime que abalou notoriamente a sociedade ao todo. E nós, familiares, amigos, instituições, imprensa, demais sociedade civil e demais conhecidos e qualquer um tenha se compadecido do injusto ato praticado, temos a responsabilidade ativa e combativa e um compromisso social de agir ativamente, de modo a não deixar que a sua vida e seus sonhos desapareçam e que os causadores disso fiquem impunes.

Douglas de Mello, PRESENTE! HOJE E SEMPRE! NEM UM MOMENTO DE SILÊNCIO, MAS TODA UMA VIDA”.

(Rádio Chopinzinho)