Sudoeste
Deputado Reichembach, líder do Bloco Agropecuário na Alep. (Foto: Alep)

Da Assessoria – Na manhã de quarta-feira (18) o deputado Reichembach utilizou a sessão plenária da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) para tratar sobre um importante assunto relacionado à agricultura do estado: a sanidade animal. 

Na região Sudoeste, que faz fronteira seca com a Argentina em alguns municípios, a entrada clandestina de bovinos do país vizinho para o território paranaense tem causado preocupação. A Argentina ainda depende da vacinação para livrar seus animais da febre aftosa, o que impede a entrada do rebanho no Paraná. 

Para Reichembach, os casos são um alerta. “Precisamos unir forças e debater entre as lideranças para intensificarmos a fiscalização nos locais e evitarmos uma possível contaminação, que traria grandes consequências sanitárias e econômicas ao nosso estado”, afirma o deputado, que é líder do Bloco Agropecuário na Alep. 

Para diminuir os preços e fortalecer o mercado interno, a Argentina proibiu a exportação de carne bovina no país. Com isso, tornou-se atrativo trazer o gado para o Brasil, porém a prática esbarra nos trâmites sanitários. 

O diretor da Adapar, Otamir Martins e o secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, já estão cientes e trabalhando para resolver a situação, juntamente com os núcleos regionais, o Batalhão da Polícia de Fronteira (BPFron), a Associação de Municípios do Sudoeste (Amsop) e outros órgãos. 

ÁREA LIVRE DA AFTOSA SEM VACINAÇÃO 

Em maio de 2021, o Paraná foi certificado como área livre da febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal. O status permite a comercialização de produtos do Paraná em mercados internacionais exigentes.