Pandemia
Foto divulgação

Essa é a pergunta que todos nós nos fazemos. O que aconteceu para que, em apenas algumas semanas, nos encontrássemos em uma situação igual ou pior do que a que tínhamos durante o confinamento do primeiro semestre. A velocidade de propagação do coronavírus nos surpreende e, embora ainda não tenhamos todas as respostas para a pergunta, nas últimas semanas foram feitas descobertas muito importantes que nos ajudam a entender o que está acontecendo.

O Sars-CoV-2 é mais contagioso do que outros coronavírus?

A resposta é sim. Existem dois outros coronavírus muito semelhantes que também causam doenças respiratórias muito graves: o Sars-CoV, que apareceu na China em 2003, e o Mers, que se espalhou no Oriente Médio em 2012. Ambos tiveram uma taxa de mortalidade muito maior do que o Sars-CoV-2 (35% dos pacientes com Mers morreram), mas sua taxa de infecção foi muito menor. Apesar dos temores iniciais, os dois surtos sumiram sem causar a temida pandemia.

Mas, se eles são tão parecidos, por que o coronavírus atual é tão altamente contagioso, enquanto os outros não?

A resposta está na inserção de quatro aminoácidos. Apenas quatro. Na verdade, um vírus age como um parasita que precisa entrar na célula para se replicar. Para ingressar nela, ele se liga a uma molécula presente em sua superfície (seu receptor) e, uma vez ancorado, esse receptor atua como um Cavalo de Tróia, internalizando-se e arrastando o vírus com ele para a célula.

Para ler a matéria completa acesse BBC Brasil