Geral
Foto Clima ao Vivo

Diversas cidades de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul viram, no dia 13, às 19h37 (horário de Brasília), uma das passagens mais longas de meteoro no céu do país. Com uma duração de 12 segundos, o fenômeno foi registrado por duas câmeras do Observatório Heller & Jung e por oito câmeras do Clima ao Vivo, empresa que presta serviços de meteorologia.

Os registros foram feitos nos municípios gaúchos de Vacaria, Caxias do Sul, Bom Princípio e Taquara. Também houve registros em câmeras localizadas em Cerqueira César e Sorocaba, em São Paulo; Florianópolis e Tangará, em Santa Catarina; e em câmeras localizadas em Telêmaco Borba, no Paraná. 

As imagens podem ser vistas no site do Clima Vivo.

Segundo o astrônomo e diretor da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon, na sigla em inglês), Marcelo Zurita, asteroides, meteoros e cometas orbitam o Sol em uma velocidade altíssima, entre 40 mil e 266 mil quilômetros por hora. 

“Quando atingem a atmosfera da Terra nessa velocidade, mesmo fragmentos tão pequenos quanto um grão de areia são capazes de aquecer instantaneamente os gases atmosféricos, gerando um fenômeno luminoso chamado de meteoro. Então, o meteoro é apenas o fenômeno luminoso, nada mais. Meteoro não é sólido, não é líquido e nem gasoso, é apenas luz. Popularmente, o meteoro é também chamado de estrela cadente”, explica o astrônomo.

Especialistas da Clima ao Vivo, Climatempo e Bramon analisam as principais imagens capturadas por câmeras de monitoramento climático e astronômico.

Fonte Agência Brasil