Saúde
Imagem aérea dos bairros Nossa Senhora Aparecida e Alvorada

Da assessoria – Depois da confirmação oficial de mais dois casos nesta quinta-feira (15) e do aumento de casos suspeitos, Francisco Beltrão entra em estado de alerta em relação a dengue e até drone está sendo usado para localizar focos da doença. De acordo com a secretaria municipal de Saúde, o sinal vermelho está aceso principalmente para os bairros Alvorada e Nossa Senhora Aparecida, onde os focos do mosquito aedes apresentam um aumento significativo. Inclusive existem 10 casos de pessoas destes dois bairros que já positivaram nos exames realizados em Beltrão, mas ainda precisam de confirmação de análise do Lacen, Laboratório Central do Estado.

Depois da confirmação de dois casos importados neste ano de 2021, os dois novos casos confirmados são autóctones, ou seja, contraídos no próprio município. Agora, de forma oficial, são quatro casos confirmados. O mais recente levantamento do Índice de Infestação do Mosquito Aedes Aegypti, realizado na semana passada, apontou índice de 3,2%, considerado de médio risco. O levantamento apontou um número maior de focos nos bairros Cango e Guanabara. No entanto, nesta semana, os índices mais preocupantes são no Alvorada e Nossa Senhora Aparecida.

Devido a gravidade da situação, nos últimos dois dias as equipes de agentes de endemias visitaram quase 600 imóveis nos dois bairros para realizar a vistoria e orientação. O fumacê nesta região também foi intensificado. Os focos estão sendo encontrados principalmente em locais habitados e prevalecendo em pratos de flores, piscinas e cisternas. Outra medida que está sendo adotada é o reforço das equipes de campo com as Agentes de Saúde, que também começam a participar das ações.

Uso de drone

A coordenadora de endemias da secretaria, Tania Lise, informa que a equipe começa a utilizar drone para acompanhar a situação em imóveis desabitados e onde os moradores dificultam a entrada das agentes. Além disso, o drone permite visualizar num raio maior e constatar o problema, principalmente em piscinas. Mas, segundo ela, o mais importante é a conscientização e colaboração da comunidade em todas as ações de prevenção, eliminando os criadouros do mosquito.