Real Móveis

Nesta quarta-feira (08) as 19h15 o Marreco Futsal volta a jogar em casa, no Ginásio Arrudão, desta vez pela semifinal da Série Ouro do Campeonato Paranaense. Do outro lado, um adversário bastante conhecido, simplesmente o maior campeão estadual que surpreendeu ao chegar com a melhor campanha em um ano de recomeço e pouco investimento.

Enquanto a equipe beltronense vive o período de maior investimento no elenco, a equipe do Oeste sofreu na última temporada com as finanças, tanto que neste ano ficou de fora da Liga Nacional. 

Contando com a experiência de Nei Victor, o Cascavel montou um elenco sem muito alarde e apostou na marcação forte e de intensidade para se sobressair, e assim conseguiu conquistar a melhor campanha com 15 vitórias, 3 empates e 4 derrotas em 22 jogos. A campanha inclusive inclui duas goleadas sobre o Marreco, sendo uma delas de 5x0 em pleno Arrudão. Falando em Ginásio, a Neva sempre foi um verdadeiro alçapão, e neste ano provou que pode ser fator determinante em grandes jogos.

Diante destes fatores, a equipe do técnico Baiano tem talvez, dois dos jogos mais difíceis desta temporada, mas que podem colocar o Marreco em uma final inédita. O primeiro no Arrudão talvez seja o mais importante, até porque em caso de empate ou derrota, obriga o Marreco a vencer em Cascavel, o que nunca foi uma tarefa fácil. Vencer em casa, garante pelo menos a decisão da vaga nos pênaltis, e toda a responsabilidade de vitória para o adversário que jogará pressionado e pilhado – principalmente porque tem Nei Victor no comando.

Para o jogo, Baiano só não poderá contar com Guina que está lesionado e só volta a jogar em 2018, enquanto o Cascavel não confirma desfalques, mas se prepara há mais de 15 dias para os confrontos, já que ao contrário do Marreco, não está envolvido na Liga Nacional. 

 



Lucas Maciel
07/11/2017



Foto: Assessoria