Uma rebelião que começou no Setor de Carceragem Temporária (Secat) da 5ª SDP de Pato Branco na manhã desta sexta-feira (25) só terminou no meio da tarde após muita negociação com os presos.

A principal reivindicação dos detentos é de que a cadeia pública tem capacidade para abrigar 44 presos, mas estava com mais de 209, muito além do ideal. Eles exigiam também revisão de processos e transferências para presídios.

Os presos iniciaram um quebra-quebra, nas portas das celas, ateando fogo em colchões para impedir a entrada dos policiais e exigiam a presença de representantes dos Direitos Humanos e da Corregedoria dos Presídios.

Por medida de segurança, segundo informações do delegado chefe da 5ª SDP Getúlio Vargas, as quadras em torno da delegacia foram fechadas, aulas em colégios próximos foram suspensas e até o atendimento no posto de saúde municipal que fica próximo também teve as atividades suspensas.

Várias equipes de policiais civis e militares reforçaram a segurança para evitar fuga de presos.

Após cerca de duas horas de negociação a rebelião terminou e 60 presos serão transferidos para o sistema prisional.

Ainda não foi feito o levantamento final dos estragos causados no interior da cadeia, o que deverá ser realizado por peritos e policiais nas próximas horas.

O diretor jurídico da Adepol, Pedro Filipe de Andrade, juntamente com os delegados da 5ª SDP, concederão uma entrevista coletiva às 9 horas deste sábado (26), na sede da 5ª SDP em Pato Branco, para tratar dos seguintes assuntos:

- Retirada imediata dos presos da região central;
- Superlotação das carceragens de delegacias de Polícia Civil, em especial de Pato Branco;
- Propostas para deslocamento da  5ª Subdivisão Policial de Pato Branco.

 



Solange Maciel
25/08/2017



Foto: Pato Branco Alerta