O mês de junho promete ser agitado no futsal do sudoeste por conta do Clássico das Penas entre Cresol/Marreco e Pato Futsal. Somente neste mês serão dois jogos entre as equipes - no dia 21 de junho em Francisco Beltrão pelo Paranaense e três dias depois em Pato Branco pela Liga Nacional. Na tarde desta quinta-feira (1), membros das duas torcidas organizadas "Fúria Beltronense" e "Camisa 6" se reuniram com a Polícia Militar no 21º Batalhão para ouvir orientações quanto ao comportamento adequado para evitar conflitos antes, durante e depois dos jogos.

Segundo o Capitão da Polícia Militar Rogério Gomes Pitz, o objetivo é de que a polícia tenha que intervir o menos possível no espetáculo. "A ideia é evitar que os aspectos do jogo não levem as coisas para o lado criminal, o que além de criar um problema para os envolvidos, os próprios clubes podem ser até penalizados com multa e perda de mando no caso de alguma confusão", afirmou o capitão.

A ideia de reunir os torcedores para ouvir as orientações partiu da diretoria do Cresol/Marreco que espera receber bem em casa o seu maior rival. "Nós entendemos que clássico só com torcida da casa perde toda a graça, até porque toda a parte da segurança está sendo organizada e nós nunca tivemos problemas com essa situação, por isso convidamos as torcidas para expor esses cuidados pra que este clássico continue acontecendo da melhor maneira possível", afirmou Ricardo Ronqui, supervisor do Cresol/Marreco Futsal.

Até aqui o que se sabe é que a diretoria do Pato Futsal está sozinha ao defender a ideia de clássico com torcida única nos dois jogos, o que para os torcedores também afetaria a disputa e provocação sadias. "A rivalidade é importante e não tem histórico de violência entre os confrontos, o Brasil todo vai ver este jogo e queremos mostrar que não temos esse problema. Dentro da quadra vamos fazer o nosso papel, mas fora de quadra todos são amigos", afirma Alcides Pereira, membro da torcida organizada Fúria Beltronense. Pelo lado dos torcedores de Pato Branco a opinião é a mesma dos beltronenses. "Embora a rivalidade seja grande, a ideia das duas torcidas é realizar o clássico da paz, independente desta rivalidade, cada um apoia sua equipe e assim evitamos qualquer tipo de confusão até de torcedores que não sejam membros da organizada", explica Jean Douglas, membro da torcida organizada Camisa 6.

O primeiro jogo no dia 21 de junho no ginásio Arrudão será o primeiro encontro entre Marreco e Pato desde 2013. 

 



Lucas Maciel
01/06/2017



Foto: Lucas Maciel