Publicado em 10/03/2016

Viajar no fim do ano, comprar uma casa, trocar de carro, adquirir um celular moderno, são algumas vontades comuns entre os habitantes desse planeta. No entanto, nem todos podem realizar esses desejos assim de uma hora para outra. Para muitos esses sonhos são distantes e cheios de obstáculos.

Aproveitando-me desses exemplos descrevo algumas condições para que você atinja-os. A primeira coisa a se fazer é listar os desejos que você tem, a partir dessa lista conseguirá mensurar qual o valor monetário desse desejo, parece bem simples, mas o desejo por si só não adianta, é necessário quantifica-lo. O próximo passo é verificar a sua renda o quanto consegue poupar visando a aquisição de um bem no futuro.

Saiba que quanto mais dinheiro você guardar, menor o tempo para atingir o seu desejo e vice e versa. Esta atitude nada mais é do que o estabelecimento de uma meta. Conhecer quanto é preciso poupar levará a você exatamente a isso “guardar” dinheiro, mesmo que inconscientemente, pois o cérebro tende a entender seus recados. Caso cumprir a meta poderá usufruir do bem em um prazo estipulado.

Tomamos o exemplo de um pacote de viagens no fim do ano. Considere que o pacote custa R$ 2.500 mais os gatos previstos no local R$2.000, totalizando um gasto de R$4.500.  A viagem é pretendida para dezembro. São exatos 9 meses que você terá de guardar R$562,50. Se esse valor for muito alto, aumente o prazo e programe sua viagem para uma data futura mais alongada.

Uma orientação bastante utilizada é a de não comprometer mais do que 30% de sua renda, isso para casos de financiamentos entre outros, aqui estamos discutindo sobre poupar, mas que também pode ser levada em consideração. Dessa forma 70% do seu rendimento são destinados as despesas do cotidiano como alimentação, combustível, despesas domesticas entre outras, os 30% para poupar entre os objetivos estabelecidos, ou é claro pagar parcelas de financiamentos, mas ai tem os juros...

Estabelecendo objetivos fica mais fácil economizar, pois você saberá exatamente a razão de estar fazendo isso, dando mais sentido à essa atitude.    

Escrito por Professor Robson Faria - Mestre em Administração PUCPR/Especialista em Finanças UNIPAR



10/03/2016