Real Móveis

Publicado em 19/10/2015

A lógica do faça e seja recompensado é milenar. A natureza nos mostra que a colheita vem somente após o plantio e cuidado com o cultivo.

O dilema vivenciado nos dias de hoje, distorce uma lógica que mais cedo ou mais tarde vem à tona.  Esse dilema é justamente o contrário, não faça e exija sua recompensa.

Várias ocasiões se defendendo em pregações manipuladoras de que seus ancestrais foram maltratados de que o local em que nascem não foi assistido pelo governo em outrora, as pessoas se sentem no direto de cobrar por algo, de quando nem haviam nascidos.

Ensinar a pescar é bem melhor que dar o peixe, pois você garante a sobrevivência do indivíduo. Não interpretem mal, não sou contra qualquer tipo de ajuda. O folego dado pela ajuda de alguém é sempre bem-vindo, mas não deve haver distorções na lei da recompensa.

Dar tudo que se quer não é correto. O mundo não funciona desse jeito. Pessoas acostumadas com esse tratamento se tornam piores, pois quando a realidade surge, ou quando a fonte seca, se revoltam e usam de artimanhas para conseguir o que querem.

A recompensa pelo esforço é sempre a melhor opção. Damos valor aquilo que conquistamos pelo sacrifício.

O que vem fácil não tem o devido valor, dessa forma há um desperdício enorme dos recursos doados. Salvo exceções de calamidades e desastres.

Não é fácil dizer não, principalmente quando se trata de parentes, filhos, amigos. Mas esteja certo, que a raiva será momentânea, ao passo que um sim desordenado pode-lhe custar uma vida de incômodos e desapontamentos.

A não ser que você queira essa pessoa seja dependente de você, aplique a lei da recompensa. Mas se quer ela em suas mãos não ensine nada, deixe-a dependente e ela estará sempre ao seu lado, e esperando suas migalhas.

Escrito por Professor Robson Faria - Mestre em Administração PUCPR/Especialista em Finanças UNIPAR

 

 

 



19/10/2015